Cadernos de Estudos Sefarditas

1º Semestre 2018

18

ISSN: 1645-1910

Parte I: Artigos

Susy Gruss (Bar-Ilan University) – Los poemas inéditos de Yehudá Haim Perahiá sobre el tema del Holocausto

palavras-chave

Holocausto; Poesia em judeu-espanhol; Yehudá Haim Perahiá HaCohén; Comunidade Sefardita da Grécia

resumo
Yehudá Haim Aharón Perahiá HaCohén (Salónica 1886 – Xanthi 1970) deixou um conjunto de obras inéditas em judeu-espanhol conservadas no Archivo Perahiá no Instituto Ben-Zvi de Jerusalém. O cadernos de poemas contém um número considerável de poesias sobre o tema do Holocausto: 44 poemas escritos originalmente em judeu-espanhol entre 1941 e 1955 que descrevem o horror das deportações, o desespero ao ver as comunidades judaicas desprovidas da sua gente, da sua língua, do seu modo de vida. Só 12 desses poemas foram até agora publicados por Isaac Jack Levy (1989) e Shmuel Refael (2008).

O presente artigo examina os poemas inéditos escritos antes, durante e depois da ocupação Nazi. O trabalho inclui uma colecção de 20 poemas inéditos, publicados aqui pela primeira vez.

Dov Cohen (Bar-Ilan University) – Uma aproximação à atividade literária do Capitão Barros Basto

Palavras-Chave

Obra do Resgate, criptojudeus, marranos, bibliografia

resumo
Os vários estudos até agora dedicados ao capitão Artur Carlos de Barros Basto (1887-1961), nos proporcionam amplas informações quanto ao seu dinamismo e às suas várias áreas de atuação em prol da “Obra do Resgate” dos criptojudeus portugueses, na primeira metade do século XX. Porém, até hoje muito pouco foi divulgado sobre a sua intensa atividade literária. O presente estudo visa apresentar uma visão panorâmica da atividade literária de Barros Basto, listando sistematicamente, pela primeira vez, os seus escritos e traduções.
Andrea Cicerchia (Università di Urbino “Carlo Bo”, CEHR – Universidade Católica Portuguesa) – Battesimi nascosti all’ombra del ghetto. Sant’Uffizio ed ebrei nello Stato pontificio della Restaurazione (1822-1825)

Palavras-Chave

Centralização; Bispos; Inquisidores; Temores; Sequestro

resumo
Ao longo do século XIX a inquisição romana foi capaz de elaborar um processo de centralização com um isolamento progressivo dos tribunais pontifícios. Um dos aspectos fundamentais em que se confrontaram centro e periferia inquisitoriais foi o do controlo sobre as relações entre comunidade judaica e católica no Estado Papal. Em especial, o mais complexo destes casos de convivência foi o dos baptismos considerados “furtivos ou clandestinos” das crianças judias, realizados fora dos limites dos ghettos ou mesmo dentro deles. A perspectiva escolhida para observar este fenómeno histórico será a das fontes inquisitoriais, conservadas no arquivo da Congregazione per la Dottrina della Fede. O caso de Serena Levi constitui o prólogo e o ponto de chegada do nosso estudo com a hipótese de uma identificação que permitirá invocar um dos principais protagonistas do Risorgimento italiano.
Amélia Ricon-Ferraz (Museu de História da Medicina “Maximiliano Lemos” – Faculdade de Medicina da Universidade do Porto) – A vida e obra de Ribeiro Sanches. O Tratado da Conservação da Saúde dos Povos

Palavras-Chave

Ribeiro Sanches, História da Medicina Portuguesa, Medicina setecentista, Higiene político-social, Livro médico setecentista

resumo
A vida e obra de António Nunes Ribeiro Sanches (1699-1783) constitui um marco na História da Medicina setecentista. Filho de uma terra e de um tempo marcados pela ausência de liberdade de expressão, seguiu o percurso que aspirava para obter a mais qualificada formação médica e para melhor servir pela arte os outros. Foi um dos discípulos prediletos de Hermann Boerhaave (1668-1738) e médico da Imperatriz da Rússia e dos seus exércitos. Era uma referência como clínico, sifilígrafo, higienista e reformador do ensino médico, embora se tivesse afirmado em muitos outros domínios. Pertenceu às mais prestigiadas sociedades científicas da Europa e legou uma vasta e especializada obra científica. Entre as suas monografias, o Tratado da conservação da saúde dos povos demonstra claramente o seu pioneirismo na Higiene político social. Pela referência temporal e pelo homem que se apresenta ao longo deste escrito, o Tratado deve ser relembrado e perpetuada a memória do seu autor.

Parte II: Crónicas e entrevistas

Ana M. Santos Pereira – Colóquio Internacional de Estudos Inquisitoriais (In)tolerância, religião, poder e justiça, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 8 e 9 de Novembro de 2017

Susana Bastos Mateus – Memorias, autobiografías y versos de Fernando Pessoa. Una entrevista con la escritora mexicana Rosa Nissán


Parte III: Recensões

Jaime Ricardo Gouveia – Angelo Adriano Faria de Assis, Pollyanna Gouveia Mendonça Muniz e Yllan de Mattos, Um historiador por seus pares: trajetórias de Ronaldo Vainfas, São Paulo, Alameda, 2017

Carla Vieira – Carsten L. Wilke, The Marrakesh Dialogues: A Gospel Critique and Jewish Apology from the Spanish Renaissance, Leiden, Brill, 2014

Susana Bastos Mateus – Joseph Shatzmiller, Cultural Exchange: Jews, Christians, and Art in the Medieval Marketplace, Princeton, Princeton University Press, 2017

Miguel Rodrigues Lourenço – Anita Gonzalez-Raymond e Rafael Carrasco (ed.), Las razones del Santo Oficio, Montpellier, Presses Universitaires de la Méditerranée, 2017